Grande Ilha

“Justiceiros” atacam com pauladas e tiro

O “Tribunal do Crime” volta a julgar e os “Justiceiros” punem quem não obedece as “Leis” com surras de pauladas e tiro na mão. Três casos foram registrados com quatro punidos

Dois jovens receberam pauladas como punição por "má conduta" no bairro da Areinha

Com uma nova roupagem para punir criminosos que cometeram algum ato em áreas demarcadas pelas chefias das facções e grupos criminosos, mais uma vez os “Justiceiros” voltaram a agir na região metropolitana de São Luís. Desta vez foram três casos e quatro pessoas punidas. O primeiro aconteceu na Vila Sapo, localizada no bairro da Areinha.

No vídeo que circula nas redes sociais desde a semana passada, dois jovens foram punidos pelo “Tribunal do Crime” e levaram pauladas por conta de “bagunça” e “falta de respeito” no local que a facção criminosa atua. A dupla foi agredida a pauladas, sendo que um deles ficou o braço ferido por conta das pauladas.

Uma mulher foi espancada e ainda levou tiro na mão

Punição com tiro na mão
O segundo “julgamento” aconteceu no bairro da Forquilha, onde uma mulher foi enforcada, espancada e ainda teve a mão atingida com um disparo de arma de fogo. Segundo informações, o “Tribunal do Crime” puniu a mulher por conta de pequenos furtos na área que a facção criminosa atua.

A vítima teria sido assassinada a pauladas

Morte no bairro Andiroba
Um terceiro caso aconteceu na manhã desta segunda-feira (18). O corpo de um homem foi encontrado por moradores do bairro Andiroba, São José de Ribamar, ele foi identificado pelos populares apenas como “Mundico”.

A vítima estava com marcas de pauladas e seu pescoço estava esmagado devido os golpes. O corpo da vítima foi recolhido para o Instituto Médico Legal (IML), mas até o fim dessa edição nenhum parente se fez presente para o reconhecimento do cadáver.

O caso segue em investigação na delegacia de homicídio. Procuramos a Secretaria de Segurança Pública do Maranhão (SSP-MA), mas até o momento do fechamento da matéria não se posicionaram por nota solicitada.

VER COMENTÁRIOS
MOSTRAR MAIS