Vinhais

Golpistas vão em cana após prejuízo de R$ 150 mil

Polícia prende no Vinhais suspeitos de estelionato que deram prejuízo de cerca de R$ 150 mil com cartão clonado e documentos falsos de uma pessoa da cidade de Curitiba, no Paraná

Os suspeitos compraram motos, roupas e foram em vários bares e restaurantes pagando com cartão clonado

A Polícia Civil, por meio da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic), prendeu em flagrante Adelmarcos de Jesus de Sá Costa, conhecido como “Marquinhos”, de 23 anos, Leandro de Sousa Silva, de 22 anos, Victor Aleksander Correia Martins, de 23 anos, e Oziel Fonseca Pontes, de 59 anos, pelas práticas dos crimes de associação criminosa, estelionato, furto mediante fraude e porte ilegal de arma de fogo.

Os quatro foram presos no bairro Vinhais, logo depois de comprarem quatro motocicletas em uma concessionária de veículos, na mesma região. Juntas, as motocicletas custam um total de R$26.100. Os suspeitos utilizaram um cartão de crédito clonado e documentos de identidade falsos de uma vítima, que reside na cidade de Curitiba/PR.

Os crminosos pediram ainda um empréstimo no banco no valor de R$81.100, no nome da mesma vítima e em menos de dois dias gastaram R$ 40 mil em compras em lojas de departamento, em roupas de grife, restaurantes, bares e supermercados.

Segundo o delegado adjunto do Departamento de Combate ao Crime Organizado (DCCO) da Seic, Jalves Carvalho, a prisão faz parte de uma investigação realizada pelo DCCO em conjunto com o Departamento de Combate ao Roubo de Cargas (DCRC), que tem como objetivo identificar vários membros de uma organização criminosa que atua praticando golpes
nos estados do Maranhão, Tocantins, Bahia, Pernambuco e no Distrito Federal.

Um dos indivíduos, Adelmarcos de Jesus, também foi encontrado de posse de um revólver calibre 38 e dez munições intacta, sendo que já possuía passagem anterior por crime de posse ilegal de arma e dois inquéritos por lesão corporal e violência doméstica.

Victor Aleksander também já tem passagem por estelionato. Após feitas as formalidades legais, todos foram encaminhados ao sistema penitenciário do estado onde ficarão à disposição da Justiça.

VER COMENTÁRIOS
MOSTRAR MAIS